Médico retira barata viva do ouvido de paciente

Foto: Arquivo pessoal

Profissional diz que foi preciso cinco pessoas para segurar a paciente que se debatia por conta do bicho no ouvido.

Uma mulher de 32 anos procurou atendimento médico por estar com dores e desesperada depois de sentir um bicho entrar no seu ouvido na noite de sexta-feira (22). O inseto invasor foi retirado após alguns minutos e, para a surpresa do médico, estava vivo. O caso aconteceu em Rio Branco, no Acre

O médico Fabrício Lemos, que atendeu a paciente, conta que a mulher chegou na emergência da unidade de saúde se debatendo. Ele lembra que foi preciso a ajuda de cinco pessoas para conseguir segurar a mulher.

O G1 não conseguiu localizar a paciente até a última atualização desta reportagem.

“Ela gritava muito de dor, uma angústia terrível, queria até se jogar no chão. Foi um negócio louco, desesperador. Quando a gente conseguiu segurar ela, foi quando eu visualizei que tinha um bicho dentro. Inicialmente, eu pensei que era um besouro. Rapidamente conseguimos tirar e quando puxei foi que vi que era uma barata e que estava viva”, conta.

Assim que o inseto foi tirado do ouvido da mulher, o médico diz que ela sentiu logo um alívio e ficou mais tranquila. Em seguida, foi feita uma limpeza na área, já que as patas da barata ficaram no ouvido e o profissional indicou uma medicação.

“Antes de tirar o bicho, a paciente não conseguia ficar parada, estava muito agitada, se contorcia mesmo. Bom que foi tirado rápido, não teve nenhuma sequela para a paciente. É diferente você ver uma barata dentro do ouvido. Já vi muita coisa, como besouro, bicho, caroço de feijão e de arroz e até brinquedo, mas barata viva não”, fala Lemos.

O profissional alerta para os cuidados que as pessoas devem ter para que não ocorra esse tipo de situação.

“Tem que ter o cuidado dentro de casa, fazer dedetização, deixar o local sempre limpo e arejado. Mesmo tendo todo esse cuidado, como essa senhora teve, ainda aconteceu isso com ela. Poderia até ter danificado o ouvido dela, a membrana timpânica mas, felizmente, ela ficou bem”, conclui.

Fonte: G1